Concelho de Gondomar Destaque

Gondomar vai-se pintar de branco para a Noite mais Glamorosa do Concelho

As ruas gondomarenses vão voltar a pintar-se de branco, para a Noite Branca. Com uma edição repleta de novidades, esta noite terá como cabeça de cartaz os cantores Richie Campbell e Ivandro. Uma noite que promete acima de tudo animação para todas as faixas etárias. O vice-presidente da Câmara Municipal de Gondomar, Luís Filipe Araújo, revelou alguns detalhes para o próximo dia 2 de Setembro. 

Quais são as expectativas para a noite branca de 2023? 

Para mantermos aqui a noite branca, temos de ter sempre uma expectativa elevada. Sendo certo que, no ano passado, foi uma edição especial, depois do Covid-19, em que as pessoas estavam com uma expectativa muito grande de atividades exteriores e de se divertirem e, portanto, foi uma edição especial. Mas este ano, continuamos com uma expectativa elevada, não queremos baixar a fasquia. O evento é uma marca de Gondomar. Temos noção que é um evento que engrandece muito o concelho e vem muita juventude aqui do Norte do país. Daí continuamos a fazer um esforço para que tudo corra bem. Voltamos a apostar muito neste evento e reforçamos algumas áreas, nomeadamente na área da comunicação procurando ter uma comunicação mais sólida. Este ano a grande parceira é a RFM que dá mais corpo à iniciativa.

A expectativa é elevada e o evento tem vindo a mostrar isso, subindo ano após ano, o número de pessoas nas ruas. No entanto os números deste ano têm vindo a mostrar que há um decréscimo de pessoas nos eventos, por exemplo, a Feira Medieval de Santa Maria da Feira, este ano, não atingiu o número de pessoas previsto. Por tudo isto fazer com que a Noite Branca de Gondomar continue a aumentar o número de pessoas será exequível? 

Este ano a tendência tem sido essa em todos os eventos. Tanto em festivais de música, como no resto. Mas nós continuamos a achar ser possível atingir essa fasquia. 

Continuam a achar ser possível atingir os cerca de 150 mil do ano passado?

Sim. Apesar de que vai ser mais difícil, mas acho que sim. Porque a tendência é mesmo essa, o decréscimo, talvez as pessoas andem a sair menos, mas eu acredito que é possível subir outra vez. Porque, por exemplo, em termos de movimentos associativos tivemos um aumento comparativamente com o ano passado

Reparei também que houve o desfazer da noite branca de Braga que no ano passado ocorreu no mesmo fim de semana e que esta ano será na semana seguinte. Houve essa articulação entre os municípios?   

O nosso município faz sempre no primeiro fim de semana de Setembro. No ano passado Vila Nova de Gaia falou connosco para saber a data da nossa, visto eles quererem também realizar a sua Noite Branca. 

Então não houve conversa entre os Municípios (Gondomar e Braga)?

Não. É verdade que são dois eventos com designação parecida. Sendo que Braga são três dias e o conceito é diferente. Agora a nossa noite branca é sempre no primeiro sábado de Setembro. Portanto, independentemente do que acontece em Braga ou em Guimarães, temos essa data que julgo que as pessoas já interiorizaram aqui em Gondomar e faz todo o sentido porque é o pontapé de saída para as festas de Gondomar. 

A nível de movimento associativo quantas associações estão inscritas? E relativamente ao ano passado aumentou o número de inscrições? Ficaram algumas de fora?

Sim, mas no ano passado não houve associações a ficar de fora, conseguimos resolver. Nós não íamos deixar associações de fora, quando há associações de Gondomar que querem participar, fazemos de tudo para as inserir. 

Não podem ficar todas no melhor lugar, as que já tinham participado tem já o seu lugar, as que chegam de novo sabem que os lugares podem não ser os melhores. De ano para ano o número de inscrições tem aumentado, no ano passado tínhamos cerca de 75/76 associações presentes e este ano estamos perto da centena, mais concretamente com 99 associações inscritas, é um aumento considerável.

Isso também demonstra a importância que tem este evento para o movimento associativo, certo?

Obviamente que sim.  Se as coletividades se unirem, na noite branca, acho que conseguem faturar. Acho que é mais importante para elas o reconhecimento das suas coletividades que é um evento onde se podem divertir e estar com outras coletividades mais amigas, e com a família. Temos verificado que é isso que acontece, que se divertem com as famílias e amigos.

O critério continua a ser privilegiar as de Gondomar? 

São só de Gondomar. 

Em termos de novidades, o que quer acrescentar do que vai haver este ano? 

Novidades é o Parque Urbano. No ano passado, tínhamos o parque entaipado porque ainda não estava finalizada a obra e este ano, temos este parque integrado na noite branca e nas festas de Gondomar. Vamos ver como as pessoas vão reagir. Acredito que este local trará, ainda, uma maior notoriedade ao evento. 

Este ano teremos mais um palco (Parque Urbano) ou será uma troca com outro local?

Não. Vai ser mais um. Eram cinco o ano passado, este ano são seis palcos. No entanto temos seis palcos grandes, mas no fundo são oito. Os outros dois, um deles é o palco Douro e o outro o Trilho Elétrico que depois de parar fica um palco. A grande novidade é o palco no Parque Urbano. Temos também um outro palco com DJ´s, com música brasileira que também não existia. Onde estava o palco tradições, houve uma troca de locais. Basicamente são seis palcos grandes e dois pequenos. 

Em termos de cartaz, há uma diminuição na aposta este ano?

Não. Temos o Richie Campbell e o Ivandro. Temos de ir mudando os artistas, sobretudo temos de perceber o que o momento está a pedir. Os custos são os mesmos, não houve redução de aposta, isso nunca poderia acontecer. Temos muita gente na rua a falar do Ivandro e que querem muito vê-lo.

É um evento que pretende cativar pessoas dos 8 aos 80?

Sim, e é por isso que temos o palco tradições com música de anos 80, por aí fora. Não deixando ninguém de fora. É uma festa para a família. Temos oferta para todas as faixas etárias. 

Existe alguma atividade ou diversão para os mais pequenos?

Isso não, mas temos muitas animações de rua. Muitas delas é mais fácil para as crianças interagirem do que ouvirem os concertos. Vamos até ter mais do que no ano passado (animações de rua). Além das performances que estão sempre a fazer na rua, temos dois grupos: a Batucada Radical e as São Tiago a Rufar.

Em termos de critérios, o branco é essencial ou é preciso outro como por exemplo a questão dos copos?

Sim, continua igual ao ano passado. Os copos de plástico que podem ser requisitados durante todo o evento. E no final faz-se as contas.

A que horas tem início o evento? 

Tem início às 19h00. O início dos concertos as 20h00 e encera as 03h00.

Em termos de custos, já tem ideia? No ano passado foi por volta dos 150 mil e este ano?

Será por volta disso, haverá um acréscimo de 10/15%. Temos mais um palco, cria logo mais despesas. Há também reforço na comunicação com a RFM, decoração de rua e por aí, mas nada de extraordinário. 

Vai haver congestionamento nas ruas? Onde não vai ser possível estacionar?

Não convêm estacionar na IC29. Sendo uma estrada parecida com uma autoestrada, não há segurança. Se chegarem cedo, o parque multiúsos tem estacionamento, junto ao hospital escola, e entre a avenida e a câmara.

Quer fazer algum apelo final para a população Gondomarense?

Venham à noite branca com a família e com os amigos. Para dar a conhecer Gondomar a quem não é de cá, tanto a cidade como o movimento associativo. É o dia perfeito para isso e para o fazerem em segurança.

Últimas Notícias

As marcas do 25 de Abril e a importância dos 50 anos do fim da ditadura e da conquista da liberdade

22/04/2024

Rancho Regional de Fânzeres celebra 45 anos

22/04/2024

Entrevista a Pinto da Costa

19/04/2024

Entrevista a Nuno Lobo

19/04/2024

Entrevista a André Villas-Boas

19/04/2024

39ª EDIÇÃO DO FETAV COMEÇA A 6 DE ABRIL

2/04/2024

Universidade Sénior de Gondomar já é maior de idade

27/03/2024

CMOS COMEMORA PRIMEIRO ANO E BATE RECORDE NO TEMPO DE DESPACHO DE MEIOS

26/03/2024