Sociedade

Adoção, um ato de amor, um ato para a vida

No mês em que comemorarmos a dádiva de ter um animal nas nossas vidas. Trouxemos o tema dos benefícios da adoção na vida de cada indivíduo e da sua família. Adotar é sinónimo de amor incondicional, de responsabilidade, de companheirismo para a vida, é esta a forma como Lurdes Delgado, nos descreve o ato de adotar. Lurdes é voluntária há 16 anos e é responsável pela associação Animais da Quinta, que se encontra situada em Covelo, Gondomar. Esta coletividade acolhe animais do concelho e ainda realiza ações de sensibilização junto às escolas sobre a importância de adotar, bem como a responsabilidade que o ato implica. Nos dias que correm, é recorrente encontrar casos de abandono e maus-tratos. Como responsável de uma associação, Lurdes explica que há que saber como falar com as pessoas e admite que por vezes, o trabalho de sensibilizar é difícil, porque há ainda quem pense que “um cão, é apenas um cão”. “Nas zonas citadinas, provavelmente, até com a pandemia, houve mais adoções e as pessoas não estavam preparadas para adotar e acabaram por fazê-lo, um pouco por impulso. Provavelmente, os casos de maus tratos e de abandono são consequência dessas situações... de pessoas que adotaram, mas não estavam preparadas e nem o deviam ter feito. Nas zonas rurais, os animais continuam amarrados às correntes, às caso- tas e as pessoas continuam a ter a mesma sensibilidade do antigamente”, explica a responsável. Lurdes, é testemunha de várias situações injustas que já chegaram à sua associação. Situações e histórias que chocariam qualquer pessoa. Dai defender a necessidade constante de sensibilizar para o bem-estar animal e a responsabilidade que é adotar
um amigo de quatro patas: “A sensibilização tem que fazer sempre parte. Há sempre quem precise acatar as ideias que difundimos e acabam por aprender as mesmas. No nosso entender, se mudarmos uma ou duas pessoas já é uma conquista, apesar de ser pouco, é por onde temos que começar”. “É nesse sentido que, para nós, é importante as ações de sensibilização nas escolas, porque consideramos que temos que começar pelos pequeninos. Ultimamente, temos feito muitas ações, mesmo na semana passada, tivemos ações todos os dias”, acrescenta a responsável. Sobre o assunto, Lurdes defende a necessidade de abordar estes temas junto aos mais novos: “Depois de nos apresentamos, falamos dos sentimentos dos animais, porque os animais são sim, cientes. Ensinamos quais os cuidados a ter com um animal em casa... mais concretamente, o que devemos e o que não devemos fazer. A responsabilidade da adoção. Falamos do abandono, e das necessidades que esta ação provoca, assim como do voluntariado, e a sua importância”. Quanto a Gondomar, defende que a situação é transversal aos outros concelhos, “Há sempre boas adoções e menos boas. Temos que interiorizar que a adoção não pode ser apenas porque o menino quer, a adoção não pode ser só porque naquela altura deu vontade, ou por ser prenda de natal ou de aniversário... Adotar é um ato de responsabilidade!”.
Quanto às vantagens da adoção, Lurdes sublinha que são imensas. Primeiro e como já referido, o amor incondicional, “principalmente, quando são animais adultos, são animais muito mais agradecidos, dão felicidade e criam mais dinâmica familiar, principalmente com as crianças. Há a tendência de adotar os animais pequeninos, porque são muito lindos, mas muitas vezes o que acontece é que a pessoa não tem capacida- de de ensinar o animal, porque é necessário ter mais sensibilidade com comportamento animal. Nenhum animal é agressivo, quando isto acontece, é um comportamento originado pelo tutor”. Lurdes aponta ainda como uma vantagem para as pessoas que gostam de fazer caminhadas, “porque o ato de adotar implica ter tempo para o animal, não podemos adotar um animal para o termos confinado”.
Adotar “Vai ser um dar e receber de carinho e amor constante, porque os cães dão-nos muito, nós damos muito menos aos cães, em comparação ao que eles nos dão a nós. Vai haver uma troca de carinho, de mimos que gera sempre um bem estar. Dão-nos paz e ajudam-nos a acalmar-nos e podemos, inclusivamente desabafar com eles. O cão está sempre connosco, mesmo nos momentos maus e não nos julga”, acrescenta a responsável. “Adotar cães adultos e idosos, é a coisa mais maravilhosa que há. O comportamento deles é diferente e são muito agradecidos. Os bebes também, mas estes dão muito trabalho e muitas pessoas não tem paciência. Para não falar que ter um animal fortalece o nosso sistema imunológico. Há pessoas que tem certas alergias que ficam atenuadas com um animal. Depois os nossos cães adultos, quando adotados, vêm vacinados, castrados, desparasitados e com o chip. Os bebés também vão com tudo, menos castrados, isso depois é a responsabilidade dos donos”. “Adotar é uma responsabilidade. A família tem que estar toda de acordo. Depois te- mos que ter em conta a doenças da família, por exemplo, se tiver alergias graves, mas gosta de animais, tem sempre a solução de apadrinhar um animal e assim, ajuda de uma outra forma (os apadrinhamentos são muito importantes). E ainda pensar bem qual é o tipo de animal que quer, porque o tamanho deve variar em função do espaço disponível, assim como o temperamento. Há pessoas que preferem cães mais agitados e energéticos, há outras que preferem cães mais calmos. Ainda outra questão é que as pessoas tem que entender que um cão muda”. Para os interessados, os Animais da Quinta tem sempre as suas redes sociais atualizadas, onde podem entrar em contacto com a mesma. ■

Últimas Notícias

39ª EDIÇÃO DO FETAV COMEÇA A 6 DE ABRIL

2/04/2024

Universidade Sénior de Gondomar já é maior de idade

27/03/2024

CMOS COMEMORA PRIMEIRO ANO E BATE RECORDE NO TEMPO DE DESPACHO DE MEIOS

26/03/2024

EUROBOL TRAZ A GONDOMAR VÁRIAS EQUIPAS NACIONAIS E INTERNACIONAIS

26/03/2024

Walking Football um desporto que combate o isolamento

26/03/2024

RAMMWERK: TRIBUTO À BANDA RAMMSTEIN

25/03/2024

RALI DE GONDOMAR REGRESSA NO PRÓXIMO MÊS

25/03/2024

Câmara de Gondomar tomou posse do Cemitério da Triana

13/03/2024